Sentir de vida

Hoje na simplicidade dos meu passos caminho por onde as minhas pernas com débil robustez levam o meu corpo.

Sigo o meu rumo no beijo da esperança de melhores dias vindouros que no seu acordar junto ao amanhecer sempre me mostrem o sol que as nuvens cinzentas ousem esconder, e a cada dia deste meu humilde viver eu saiba agradecer o tanto e tanto da dádiva que os meus pés vão por aqui caminhando. Muito distante do que um dia desejei abraçar em este meu caminhar, caminho, caminho… no sonho acordado que os dias vão obrigando a redefinir

Sorrio nos meus dias, e os meus olhos em dias que o coração não me palpita sentir de sol, molham o meu rosto. Um homem também chora e se engrandece na dor causada pelo agreste dos seus passos que vão sendo caminhados entre planícies verdejantes onde pintassilgos esvoaçam, chalreiam… e areia de deserto que não brota sorrir de vida

Que as minhas pouco robustas pernas sempre me deem a sua possível melhor robustez e o meu coração vá palpitando o melhor de mim melodiando a dádiva dos dias, já mais deixando dia algum o sonho ficar no seu dormir e não viver a luz do dia

Jamais contrariedade alguma do nosso viver terá a força e o poder de roubar o sonho ao homem, tão só basta cada homem acreditar em si e ir redefinindo o sonho no seu coração quando a caminhar a isso o obrigue. A dádiva da vida essa será sempre para ser a Deus agradecidamente vivida. Saudade de outros tempos vividos é tão só e apenas sinónimo de que a dádiva da vida é para ser vivida. há que fazer de cada dia um dia de saudade, ciclos terminam outros iniciam

Cada um de nós é tudo e muito é
tudo o que vive no seu sentir
acreditar no seu valor e ter fé
e o seu coração a Deus ouvir

Um abraço amigo

This entry was posted in Cantinho do Zé. Bookmark the permalink.